terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Vida!


Ainda que tenhamos ultrapassado os limites da razão, por nos deixarmos morrer um pouco mais nesse ano que se finda, conservemos a esperança viva, de renascermos a cada novo gesto, a cada novo olhar e a cada sorriso. Somos imortais diante do nosso legado de amor e paz, que ousamos construir e multiplicar. Perpetuamos assim a nossa existência, e por mais que não nos sintamos felizes plenamente, na lembrança daqueles que nos amam, plantamos horizontes, dos quais brotarão girassóis e arco-íris, a fantasiar  desejos, que moverão a humanidade.

Àqueles que perderam a fé e que deixaram de enxergar o azul do céu, a preferir o lamento à glória, rogo-lhes uma benção divina, para que se sintam abraçados intensamente, acolhidos até que o cansaço os liberte. E então, que possam ousar muito e contagiar com alegria o outro, correr descalços na chuva, beijar com paixão, apreciar as suas próprias vidas e estender pétalas douradas em seus próprios caminhos.

Que em nossas reflexões nos permitamos sonhar, sem que a escuridão ou mesmo a penumbra do desencanto nos desencorajem, para que então, possamos provar e comprovar quantas vezes quisermos, o quanto somos especiais, simplesmente pelo fato de existirmos, simplesmente  por cumprirmos a nossa missão, de amarmos e sermos amados.

Namastê!

2 comentários:

Ana disse...

Linda crônica! Abraços!

Gil disse...

O GIRASOL SEMPRE SE VOLTA PARA O SOL!